27/07/2020
AMAZONAS

Apenas oito municípios com esgotamento

Segundo dados do Suplemento de Saneamento da MUNIC 2017 divulgadas dia 22 de julho, apenas oito dos 61 municípios do Amazonas possuem serviço de esgotamento sanitário, o que corresponde a 12,9% do total. Todas essas cidades tinham rede na área urbana, ainda que não na totalidade, e nenhum tinha rede na área rural. As informações foram coletadas junto às prefeituras locais, e em conjunto com as informações provenientes dos módulos temáticos de abastecimento de água e esgotamento sanitário da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico – PNSB. 

Dos 61 municípios manauaras, 44 não têm órgão regulador do serviço de abastecimento de água; dos 951 mil m³/dia captados, 78% sofriam algum tratamento; o tamanho da rede de distribuição de água era de 5.140 km, com 571 mil ligações. Do total, apenas 46 municípios cobravam pelo fornecimento de água, que em apenas 51% dos municípios sofria tratamento; 17 municípios informaram fazer captação superficial de água e o Estado possui a 4ª posição na Região Norte, com 540 Km de esgoto que atendem cerca de 61 mil residências. Esses são alguns dados de destaque da PNSB divulgada pelo IBGE, ontem e registradas em 2017.

No Brasil, 26 municípios informaram não ter serviço de abastecimento de água por rede geral de distribuição em nenhum de seus Distritos. Dentre esses municípios sem serviço, oito estavam distribuídos na Região Norte, nos Estados do Amazonas (um), Rondônia (um) e Pará (seis). Então, no Amazonas, 61 dos 62 municípios possuíam serviço de abastecimento de água por rede de distribuição. Apenas o município de Tonantins não possui o serviço.

De acordo com o PNSB, cerca de 39,7% dos municípios brasileiros não têm serviço de esgotamento sanitário. O estudo mostra que o serviço de esgotamento sanitário é distribuído de forma desigual entre as grandes regiões do País. Enquanto no Sudeste mais de 90% dos municípios possuíam esse serviço desde 1989, no Norte essa proporção era de apenas 16,2% em 2017.