13/07/2020
SANEAMENTO

Leilão da Cedae pode ficar para 2021

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou que dará prosseguimento ao processo de concessão da Cedae, apesar dos questionamentos do município do Rio de Janeiro. Segundo Fábio Abrahão, diretor de infraestrutura, concessões e PPP’s do banco, o processo de judicialização da Cedae vai contra a criação de 45 mil postos de empregos (criados com a concessão), contra a despoluição das bacias do Guandu e da Guanabara e das praias cariocas. 

O BNDES tem trabalhado para realizar o leilão da Cedae no último trimestre de 2020 que, de acordo com Abrahão, é viável do ponto de vista técnico e pelos investidores. As eleições podem ser um problema e adiar o processo de concessão da companhia para 2021. Em junho, o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, entrou na Justiça para tentar impedir o processo de licitação da Cedae, posição contrária à do governador Wilson Witzel, que é interessado na concessão da Cedae. 

A concessão da Cedae prevê investimentos de R$ 33,5 bilhões pelo período a ser explorado pelo vencedor da licitação. O BNDES participa do processo fazendo a modelagem por meio de contrato assinado em 2017.