14/09/2020
ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

Possibilidades para monitorar contaminantes

Um estudo internacional de pesquisadores liderados pelo Prof Matthew Currell, na RMIT – que inclui a ANSTO – e publicado na Water Research descobriu uma combinação de técnicas isotópicas e convencionais que pode distinguir entre várias fontes de contaminantes que impactam as águas subterrâneas em ambientes complexos.

O estudo mostra um meio melhor de caracterizar a natureza e o tempo de como as águas residuais afetam as águas subterrâneas subjacentes, o que poderia ter implicações significativas para um melhor monitoramento, gestão e ação corretiva globalmente. O artigo mostrou que o monitoramento de rotina, isótopos estáveis e radioativos e contaminantes de preocupação emergente (CECs), forneceu informações precisas na identificação da fonte de poluentes em estação de tratamento de água localizada nas proximidades de terras agrícolas em Victoria, Austrália. 

O cientista de pesquisa ambiental Dr. Dioni Cendon, especialista em águas subterrâneas e coautor, supervisionou as medições dos isótopos estáveis e radioativos na ANSTO para o estudo e ajudou na interpretação de todos os dados. "Há uma necessidade de técnicas robustas e sensíveis que possam distinguir claramente entre a contaminação que pode vir de efluentes de águas residuais e outras fontes", disse Cendon. "Onde houver possível contaminação contemporânea e legada de vários pontos e condições hidrogeológicas complexas, o uso de um único traçador de água subterrânea pode não ser suficiente”. 

Além de validar a abordagem para delinear as fontes de contaminação, os dados sugeriram que as instalações de tratamento atuais e anteriores tiveram um impacto nas águas subterrâneas adjacentes e abaixo da estação de tratamento de águas residuais que fica em um local 100 km ao sul de Melbourne. A estação de tratamento de águas residuais está rodeada por terrenos agrícolas utilizados para horticultura e pecuária, onde existe uma vasta utilização de fertilizantes e sistemas de irrigação. Os sistemas de irrigação usam água subterrânea e água reciclada da estação de tratamento.

O estudo descobriu que a qualidade da água subterrânea estava sendo afetada pelas águas residuais e fontes agrícolas. Medições de nutrientes nas águas subterrâneas sugeriram concentrações elevadas de nitratos e amônia, mas não foram capazes de distinguir entre as fontes.

Os dados de isótopos radioativos indicaram que vazamentos recentes agiram como uma janela de 'recarga' das águas subterrâneas, vazando efluentes tratados ou parcialmente tratados para as águas subterrâneas subjacentes. “A gestão e o tratamento de águas residuais e resíduos sólidos em instalações em todo o mundo apresentam grandes desafios ambientais, que incluem impactos de contaminantes em preciosas fontes de água subterrânea, que estão se tornando mais importantes com os desafios climáticos”, disse Cendon.

Recentemente, em uma pesquisa anterior do Prof Currell, o candidato William McCance da RMIT identificou a possibilidade de usar 'contaminantes de preocupação emergente' (CECs) como uma ferramenta para identificar a contaminação de águas residuais de outras fontes. Depois de considerar uma variedade de CECs de produtos farmacêuticos, produtos de higiene pessoal, ingredientes alimentícios e herbicidas, a equipe escolheu três com base em seus critérios de seleção: carbamazepina (um medicamento anticonvulsivante para epilepsia), simazina (um herbicida) e sulfametoxazol (um antibiótico).

A proporção de dois contaminantes, carbamazepina e simazina, sugeriu que a composição do efluente mudou ao longo do tempo, o que pode ter resultado de melhorias na infraestrutura da estação de tratamento. “As estações de tratamento de águas residuais centralizadas ajudam a fornecer condições de vida sanitárias para mais de 5 bilhões de pessoas, mas isso vem junto com desafios ambientais. O monitoramento simples não é suficiente para entender os impactos potenciais. O uso de técnicas combinadas, conforme validado nesta pesquisa, pode ajudar a preservar importantes recursos hídricos subterrâneos e ambientes locais", disse Cendon.

Veja também

08/09/2020
ÁGUAS SUBTERRÃNEAS | Congresso Mundial acontece em agosto de 2021
17/09/2019
ÁGUAS SUBTERRÂNEAS | Gases nobres ajudam a compreender origem na Austrália
05/07/2019
ÁGUAS SUBTERRÂNEAS | Suez amplia portfólio com aquisição da DH
19/02/2019
ÁGUAS SUBTERRÂNEAS | Falta de saneamento é um risco
25/09/2018
ÁGUAS SUBTERRÂNEAS | Suez amplia atuação no Brasil
05/09/2018
ÁGUAS SUBTERRÂNEAS | Coletânea sobre legislação brasileira
08/11/2017
ÁGUAS SUBTERRÂNEAS | Produção técnico-científica cresce no Brasil
10/10/2017
ÁGUAS SUBTERRÂNEAS | Abas promove V CIMAS em outubro